Para além de um repositório!
Para além de um repositório!
Educare é o novo ecossistema de Recursos Educacionais Abertos. Aqui você encontra todos os recursos que precisa para suas pesquisas e aulas. Você compartilha, salva seus favoritos ou cria seu próprio conteúdo com nosso construtor de recursos.

Descubra. Crie. Compartilhe.

Descubra muitos
recursos educacionais nas mais
variadas áreas de pesquisa.
Crie o seu próprio recurso com
o nosso construtor online de
uma maneira simples e rápida.
Compartilhe o seu conteúdo
com suas redes e comunidades.
Propague o conhecimento

Descubra novos recursos

Ciclo biológico - Mosquitos - Curiosidades e particularidades - Culex e Aedes

24/01/2024
Infográfico produzido a partir de diferentes fontes de pesquisa,como institutos internacionais e organizado em uma linguagem clara e lúdica,foram estabelecidas relações de tamanho entre vírus,bactérias,plasmódios,vermes filariais e mosquitos – ovos,larvas,pupas e adultos. Este recurso cumpre o propósito de ação educacional apoiando professores para que eles tenham acesso a materiais gratuitos e sejam multiplicadores de informação de qualidade. As imagens contidas nestes infográficos foram obtidas a partir do site do Centro Nacional de Doenças Infecciosas Zoonóticas e Emergentes (NCEZID),Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores (DVBD),nos quais informações adicionais também podem ser exploradas como dicas sobre como se proteger dos mosquitos e identificar seus focos.

O Aedes e sua história: módulo 1

31/12/2012
O Módulo 1 explica a origem do mosquito Aedes aegypti e como ele chegou ao Brasil. Trabalhado com base em animação,o módulo explica que a origem etimológica do termo vem do grego "odioso","desagradável",e do latim,"do Egito".O módulo também esclarece que o mosquito é originário do Egito,na África,e vem se espalhando pelas regiões tropicais e subtropicais do planeta desde o século XVI,inicialmente por meio de navios que traficavam escravos. O vetor foi descrito cientificamente pela primeira vez em 1762,mas o seu nome definitivo,Aedes aegypti,só seria estabelecido em 1818.No Brasil,os primeiros relatos de dengue datam do final do século XIX,em Curitiba,no Paraná,e do início do século XX,em Niterói,no Rio de Janeiro. No início de século XX,o mosquito já era um problema,mas não por conta da dengue: na época,a principal preocupação era a transmissão da febre amarela urbana. Em 1955,o Brasil erradicou o Aedes aegypti como resultado de medidas para controle da doença. No entanto,no final da década de 1960,foi verificado que o vetor estava presente novamente em território nacional. Hoje,o mosquito é encontrado em todos os estados brasileiros.

Estratégias de controle do vetor: módulo 5

31/12/2012
Projeto vídeo-aulas ''Aedes aegypti - Introdução aos Aspectos Científicos do Vetor'' Os três principais tipos de controle do vetor Aedes aegypti - mecânico,biológico e químico - são apresentados pela bióloga Luana Farnesi. Ela destaca que,com base na biologia do mosquito,a fase de mais fácil controle é a aquática,quando as larvas e pupas do mosquito estão restritas a recipientes confinados,antes da forma de mosquito alado.A pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) Denise Valle lembra que,quando falamos de controle químico,relacionado ao uso de inseticidas,a primeira coisa que vem à cabeça é o fumacê. No entanto,ela destaca dois fatores importantes sobre o assunto: o primeiro é que devemos entender o uso de inseticida como medida complementar de controle do vetor da dengue; e o segundo,que o fumacê é o controle de mosquitos adultos.Durante o vídeo,Denise explica que os principais inseticidas usados no controle de Aedes são os chamados neurotóxicos (capazes de atuar no sistema nervoso dos insetos). No Brasil,este uso foi intensificado a partir de 1986,com as epidemias de dengue. No final da década de 90,os agentes de saúde começaram a perceber que os inseticidas não estavam funcionando no campo,o que alertou o Ministério da Saúde para a possibilidade de que a característica de resistência aos inseticidas estivesse se disseminando pelas populações do vetor no país.A especialista explica que a resistência é a habilidade que um inseto tem de sobreviver a uma dose de inseticida que é considerada letal para uma população suscetível. O inseticida não torna a população resistente: a resistência tem uma base genética,apenas selecionando na população aqueles indivíduos que já nasceram resistentes. Para demonstrar esta questão,ela apresenta os resultados de experimentos e faz uma alerta. "O controle químico quando usado de forma indiscriminada elimina da população apenas os indivíduos suscetíveis,permitindo a perpetuação dos resistentes. Por outro lado,se o controle mecânico for usado como a principal forma de combate,os mosquitos resistentes não serão selecionados e a população permanecerá vulnerável à ação do controle químico quando ele for necessário,como medida complementar e de forma racional",a pesquisadora afirma.Acompanhe o site: www.ioc.fiocruz.br/auladengue. Também disponível em https://www.youtube.com/watch?v=IBl78FWRWcw. Módulo 5 Estratégias de Controle do Vetor do Projeto vídeo-aulas Aedes aegypti: Introdução aos Aspectos Científicos do Vetor.

As aventuras dos Pequenos Mosqueteiros contra dengue,zika e chikungunya

20/09/2019
A Cartilha,Os pequenos mosqueteiros contra dengue,zika e chikungunya,foi publicada pelo Núcleo Operacional Sentinela de Mosquitos Vetores (Nosmove) da Fiocruz. Destinado ao público infantil,o material é apresentado em uma edição colorida e dinâmica que favorece a comunicação com as crianças. Insere conteúdos fundamentados no conceito da Promoção da Saúde que contribuem para a formação de cidadãos conscientes e responsáveis pela construção de ambientes saudáveis. Esta história em quadrinhos mostra a importância de não deixar os mosquitos crescendo sem parar,e podendo transmitir doenças. Neste número 1,os pequenos mosqueteiros vão caçar os mosquitos chamados Aedes,que são capazes de transmitir vírus que causam doenças em humanos,como por exemplo dengue,chikungunya e zika. O Núcleo Operacional Sentinela de Mosquitos Vetores - Nosmove/Fiocruz é uma parceria entre o Instituto Oswaldo Cruz - IOC,Diretoria de Administração do Campus - DIRAC e a Vice-Presidência de Atenção,Ambiente e Promoção da Saúde-VPAAPS,da Fundação Oswaldo Cruz.

Apresentação do Curso Introdução à Divulgação Científica

23/05/2024
No vídeo Luisa Massarani e Catarina Chagas,responsáveis pelo conteúdo do curso,apresentam os objetivos,a estrutura e a dinâmica desta disciplina online,o curso será dividido em dois módulos e no final do projeto o objetivo será colocar em prática os aprendizados do curso.

Divulgação científica no Brasil

23/05/2024
Ildeu de Castro Moreira é físico e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente,é presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e vice coordenador do Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia. Foi diretor do Departamento de Popularização e Difusão da Ciência e Tecnologia do Ministério de Ciência,Tecnologia e Inovação e recebeu o Prêmio José Reis de Divulgação Científica em 2013. Neste vídeo Ildeu de Castro Moreira conta um pouco da história da divulgação científica no Brasil,que se mistura à própria história da ciência,e fala sobre a percepção dos brasileiros sobre ciência e tecnologia.

Conheça 6 conceitos fundamentais relacionados a desastres

24/05/2024
Para que um evento seja considerado um desastre,precisa combinar ameaças de origem natural e/ou tecnológica,exposição,condições de vulnerabilidade e capacidades de prevenção e respostas para reduzir os riscos. Desse modo,um desastre requer um conjunto de aspectos que envolvem condições físicas e sociais. Através dos cards,conheça seis conceitos fundamentais relacionados ao tema e saiba mais! O conteúdo é baseado no ‘Guia de Preparação para Resposta à Emergência em Saúde Pública por Inundações Graduais’. A publicação é do Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (Cepedes/Fiocruz),coordenado pelo pesquisador da ENSP/Fiocruz Carlos Machado.

Saiba mais sobre a Leptospirose

24/05/2024
Após o escoamento das águas de enchentes,é importante que a higienização dos ambientes e dos objetos ocorra da maneira correta,para evitar a infecção pela bactéria Leptospira,responsável pela Leptospirose. Nesse material desenvolvido pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz),você confere informações relevantes sobre a doença e como evitá-la.
Carregando...
Conheça Nossas Redes
As redes que compôem o Ecossistema Educare tem como propósito desenvolver iniciativas em comum permitindo a comunicação entre os criadores de conteúdo, viabilizando diversas formas de colaboração para compartilhar conhecimento.
Comunidades
Avaliação e Economia da Saúde
Exercício de avaliação e monitoramento
por sydia oliveira em Avaliação e Economia da Saúde
23/09/2020
Doenças Crônicas
Ambiente,Ecologia e biodiversidade
Manual de Compostagem
por Mariana Torres Vannier em Ambiente,Ecologia e biodiversidade
28/08/2023
Qual local correto para descartar seu lixo?
por Renata Ferreira em Ambiente,Ecologia e biodiversidade
30/05/2023
Déficit de Natureza
por Carmélia Brito em Ambiente,Ecologia e biodiversidade
15/12/2023